Categorias
Regras ABNT

Quais os elementos pré-textuais: Modelo para baixar

Os trabalhos acadêmicos exigem a presença dos chamados elementos pré textuais. Esses elementos são os responsáveis pela organização e categorização do trabalho finalizado.

Os elementos pré textuais são compostos de itens obrigatórios e opcionais. Seja em um TCC ou em um artigo científico, o aluno precisa ter ciência da relevância destes itens em seus trabalhos.

Inclusive, os elementos prétextuais são descritos nas Normas da ABNT. Portanto, saber formatar esses elementos é imprescindível para o atingimento de boas notas.

O que são elementos pré-textuais

Os elementos pré-textuais são parte importante e indispensável de todo trabalho acadêmico. Esses elementos precedem o texto principal e são compostos de itens obrigatórios e itens opcionais.

Além disso, esses elementos tendem a facilitar a apresentação do trabalho acadêmico. Ou seja, sua finalidade é justamente fazer a identificação deste trabalho, bem como sintetizar os elementos textuais.

Assim, sua padronização torna mais funcional a busca e a classificação do trabalho. Lembrando que estes elementos, assim como outros, são regras estipuladas e padronizadas pela ABNT.

Quais são os elementos pré-textuais?

De acordo com as Normas da ABNT – NBR 14724 –, os elementos pré-textuais são compostos pelos seguintes itens:

Dentre estes itens alguns são considerados de uso obrigatório e outros de uso opcional. Apesar de não contabilizarem para a composição da nota, os itens opcionais tornam o trabalho mais harmonioso e completo.

Modelo dos elementos pre-textuais para baixar em Word

Baixe aqui e inclua suas informações:

Quais os obrigatórios

Conforme colocado anteriormente, os elementos pré-textuais são formados por diversos itens, tanto obrigatórios quanto opcionais. Dentre os itens de uso obrigatório, estão:

  • Capa: nome da instituição, curso, autor, título do trabalho, cidade e ano.
  • Folha de rosto: nome do autor, título do trabalho, breve descritivo do projeto, nome do orientador, cidade e ano.
  • Folha de aprovação: nome do orientador, nome dos examinadores e local para apontamento das notas.
  • Resumo: parágrafo único, de 150 a 500 palavras, fazendo um apanhado geral do trabalho, incluindo as palavras-chave.
  • Abstract: é o resumo, porém traduzido para a língua inglesa.
  • Sumário: é a enumeração dos capítulos e seções que formam o trabalho

elementos pré textuais

Quais os opcionais

Os itens opcionais que formam os elementos pré-textuais ficam a critério do aluno. Seu uso não implica na nota final do trabalho. No entanto, auxiliam na composição do trabalho com um todo.

  • Lombada: é um elemento de identificação, mais utilizado quando o trabalho for encadernado.
  • Errata: seu uso só é necessário quando houver algum tipo de correção.
  • Dedicatória: espaço para o autor escrever uma dedicatória para uma ou mais pessoas.
  • Agradecimentos: espaço para o autor escrever agradecimentos àqueles que o auxiliaram durante o curso.
  • Epígrafe: onde o autor pode citar alguém famoso e que tenha servido de base para o estudo.
  • Ilustrações: listagem de todas as imagens colacionadas no trabalho, em ordem de exibição.
  • Tabelas: listagem de todas as tabelas inseridas no trabalho, também em ordem de exibição.
  • Abreviaturas e siglas: listagem de todas as abreviaturas e siglas mencionadas ao longo do trabalho.
  • Lista de símbolos: listagem de todos os símbolos e seus respectivos significados.

Elementos pré-textuais artigos científicos

Em relação aos elementos pré textuais de um artigo científico, estes ficam condicionados a NBR 6022:2018. Ou seja, as Normas da ABNT que orientam a forma de apresentação destes elementos.

Assim, temos em um artigo científico a padronização destes elementos. No entanto, a divisão destes elementos não é feita por página. Mas sim, numa continuidade do início ao fim.

Então, os elementos pré textuais que compõem um artigo científico, são:

  • Título e subtítulo (se houver) no idioma do documento – obrigatório
  • Título em outro idioma – opcional
  • Autor (ou autores) – obrigatório
  • Resumo no idioma do documento – obrigatório
  • Palavras-chave no idioma do documento – obrigatório
  • Resumo em outro idioma – opcional
  • Palavras-chave em outro idioma – opcional
  • Datas de submissão e aprovação do artigo – obrigatório

Elementos pré-textuais do TCC

Em relação ao TCC – Trabalho de Conclusão de Curso –, os elementos pré-textuais são os mesmos da NBR 14724. Ou seja, são utilizados os mesmos elementos dos trabalhos acadêmicos.

  • Capa (obrigatório)
  • Lombada (opcional)

Estes dois elementos fazem parte

  • Folha de rosto (obrigatório)
  • Errata (opcional)
  • Folha de aprovação (obrigatório)
  • Dedicatória (opcional)
  • Agradecimentos (opcional)
  • Epígrafe (opcional)
  • Resumo (obrigatório)
  • Abstract (obrigatório)
  • Ilustrações (opcional)
  • Tabelas (opcional)
  • Lista de abreviaturas e siglas (opcional)
  • Lista de símbolos (opcional)
  • Sumário (obrigatório)

Veja abaixo passo a passo sobre todo esquema de estrutura do trabalho acadêmico

Estrutura do Trabalho Acadêmico

A estrutura do trabalho acadêmico é dividida em duas partes:

Parte externa e parte interna.

Essa divisão como pode ser observada na imagem abaixo tem como objetivo orientar os usuários
A parte externa compreende:

  • Capa
  • Lombada

A parte interna

  • Folha de rosto (obrigatório)
  • Errata (opcional)
  • Folha de aprovação (obrigatório)
  • Dedicatória (opcional)
  • Agradecimentos (opcional)
  • Epígrafe (opcional)
  • Resumo na língua vernácula (obrigatório)
  • Resumo em língua estrangeira (obrigatório)
  • Lista de ilustrações (opcional)
  • Lista de tabelas (opcional)
  • Lista de abreviaturas e siglas (opcional)
  • Lista de símbolos (opcional)
  • Sumário (obrigatório)
  • Introdução
  • Desenvolvimento
  • Conclusão
  • Referências (obrigatório)
  • Glossário (opcional)
  • Apêndice (opcional)
  • Anexo (opcional)
  • Índice (opcional)

elementos pré textuais

Formatação

Quanto a formatação dos elementos pré-textuais, algumas regras são genéricas para o trabalho inteiro. Entre elas, temos:

  • Folha A4
  • Margens: superior e esquerda 3 cm, inferior e direita 2 cm
  • Fonte: Arial ou Times New Roman
  • Cor da fonte: preto
  • Tamanho da fonte: 14 para títulos, 12 para texto comum.
  • Espaçamento entre linhas: 1,5 cm

Na capa, todos os elementos são dispostos de forma centralizada e em caixa alta. Além disso, pode-se utilizar Negrito em toda a capa. Já na folha de rosto, apenas o título do trabalho é colocado em caixa alta e no tamanho 14.

Contudo, o restante das informações pode ser em caixa baixa e no tamanho 12. Com exceção do breve descritivo que deve ser justificado, alinhado a 6 cm da margem esquerda, o restante dos elementos permanece centralizados.

Já na folha de aprovação, todos os elementos também devem ser centralizados. Entretanto, resumo e abstract devem ser justificados, sem recuo de primeira linha e com espaçamento simples entre linhas.

Quanto ao sumário, este deve ser justificado e com recuo de margem apenas nos subtítulos. Ou seja, os títulos principais iniciam na margem esquerda. E a numeração das páginas fica no limite da margem direita.

Categorias
Trabalho

Modelos de resenhas: Tipos e exemplos

A resenha é um tipo de texto pessoal e opinativo onde será abordado algum acontecimento cultural. Seja este fato um filme, peças teatrais, livros, etc. Por isso, para facilitar a sua construção, trouxemos alguns modelos de resenhas.

Entretanto, mesmo acertando na criação do texto, é de extrema importância prestar atenção à gramática. Assim como, alcançar um poder de síntese indo direto ao cerne da questão.

Principais modelos de resenhas

Adiante iremos mostrar os modelos de resenhas mais comuns. Sendo eles utilizados tanto em meios acadêmicos, quanto em resenhas jornalísticas profissionais. Portanto, são eles:

Modelo de Resenha de obra

Este modelo diz respeito a clareza dos conceitos principais do autor. A base do referido resumo se dará o tom exato desta resenha. Muito utilizado no meio acadêmico ou nas escolas.Modelo

Modelo de Resenha Crítica/ Opinativa

Nesta resenha seu conteúdo é bem detalhado, havendo assim um julgamento de valor, da forma e do objeto. Existirá uma procura maior do detalhe da obra. A fim do autor da resenha se basear e justificar a sua crítica.

O crítico em questão, poderá utilizar os textos de outros autores, que escrevam sobre o mesmo tema. A partir daí o analista conseguirá argumentar de forma positiva ou negativa sobre o assunto em questão.

Por fim, daremos um exemplo acerca da resenha de um livro. Desse modo será necessário que siga os seguintes passos propostos:

  • Leitura do texto na íntegra. Inclusive, analisar outros textos complementares que fale sobre a obra;
  • Fazer o resumo da obra com seus principais tópicos;
  • Dentre as principais ideias, se aprofundar mais em alguma questão;
  • Manifestar uma opinião verdadeira (descritiva) ou de valor (crítica);
  • Preparar a resenha contendo identificação de ambos os autores (obra/resenha).

Modelo de Resenha Temática

Será abordado diversos textos e autores que falem sobre um mesmo assunto. O intuito é fazer um paralelo das ideias propostas, emitindo uma opinião com as devidas indicações.

Modelo de Resenha sobre filmes

Tem como objetivo analisar teoricamente a relação dos personagens com o roteiro. Geralmente é a resenha menos pedida na universidade.

modelos de resenhas

Como fazer a resenha de uma forma correta

Sempre tenha em mente que, para se fazer modelos de resenhas da forma correta, é preciso desenhar objetivamente sua síntese. Bem como, intercale os assuntos principais entre a descrição e o seu ponto de vista.

Além do que, preste atenção aos erros ortográficos e semânticos do texto. Pois, o propósito é trazer uma resenha coesa, definindo uma melhor exposição do assunto tratado. Finalmente, será imprescindível que o referido texto contenha:

  • Clareza de ideias;
  • Concisão, ou seja, texto mais resumido;
  • Impessoalidade;
  • Objetividade;
  • Precisão na linguagem;
  • Propriedade do vocabulário;
  • Simplicidade.

Outros atributos que faz diferença na hora de concluir a sua resenha, é o uso das seguintes características citadas abaixo. Como por exemplo:

Cientificidade

Será o uso obtido nos trabalhos acadêmicos. A sua principal característica está no fato de haver cunho científico para embasar a sua teoria. Faça conforme as exigências da impessoalidade e objetividade, sendo preciso nos argumentos e explicações.

Comunicar o essencial

Analise o texto de forma cirúrgica, contrapondo as partes mais importantes da obra. Porém, atenda as perspectivas do leitor, informando as bases primordiais da produção. Sejam elas artística, cientifica ou literária.

Neutralidade

O julgamento na resenha deve ser imparcial, seja contrapondo os aspectos positivos ou negativos do texto. Tenha cuidado para não usar de paixão extrema ou ódio exacerbado no texto ou autor investigado.

Passo a passo para edição da resenha

Como falamos mais acima, os modelos de resenhas se subdividem em crítica, descritiva e temática. Cada qual terão etapas a serem construídas, formando um conjunto para a sua finalização. Portanto, teremos os seguintes aspectos:

Resenha Acadêmica Crítica

Por aqui, será importante se guiar detalhadamente nestes oito passos. O intuito é alcançar o objetivo final desta resenha, entregando o resultado ao seu leitor. Dessa maneira, teremos:

1 – Identificação da obra com dados bibliográficos;

2 – Apresentação da obra, com a síntese completa do texto;

3 – Definição da estrutura, com o número de páginas, divisão dos capítulos ou seções;

4 – Descrição do conteúdo, com 3 a 5 parágrafos do resumo geral;

5 – Observação crítica, ou a sua análise da obra;

6 – Recomendação do texto para seu público-alvo;

7 – Identifique o escritor, contando sobre outras obras e sua vida;

8 – Assinatura e identificação do resenhista.

Resenha Descritiva

Quando falarmos na resenha descritiva, tenha em mente os mesmos passos anteriores, tirando apenas a etapa 5. Por apenas haver a necessidade da descrição do texto.

Resenha do tema

Objetivamente, a resenha temática será apresentada com dados principais do tema, e o porquê da escolha do conteúdo. Seus passos serão mais práticos e curtos, como:

1 – Indicação do tema, explicando o assunto proposto;

2 – Resumo geral do texto. Nesta etapa falar sobre o autor e explicação do mesmo sobre o tema;

3 – Conclusão, com a sua opinião sobre o assunto;

4 – Informação sobre as fontes, com bibliografia;

5 – Rubrica e identificação do resenhista.

Ainda em dúvida de como criar e delinear a sua resenha? Pensando nestes questionamentos, trouxemos de forma resumida o passo a passo delas.

Tamplate de resenha

Ainda em dúvida de como criar e delinear a sua resenha? Pensando nestes questionamentos, baixa aqui seu modelo de resenha pronta.

Como formatar sua resenha

Observe  as instruções para formatar a resenha de acordo com este padrão.

Quanto à formatação geral

O trabalho deve ser apresentado em

  • Tamanho A4;
  • Espaçamento1,5cm;
  • Fonte Arial, tamanho 11;
  • Texto justificado;
  • Tabulação de parágrafos em 1,25cm;
  • As margens devem ter: 2,5cm (superior), 2cm (inferior), 2cm (lateral esquerda) e 2cm (lateral direita);
  • Cabeçalho em 1cm e o rodapé em 0,5cm;
  • O título atribuído à resenha deve estar centralizado, em negrito, tamanho 12, com letras maiúsculas e não deve ultrapassar duas linhas;
  • Subtítulo, observar letras maiúsculas e minúsculas. Não se coloca ponto final em títulos;
  • Identificação de Autoria;
  • Instituição e e-mail: tamanho 10, em itálico e centralizado. Observar a inserção da numeração de página ao centro da página, empregando também a fonte Arial em tamanho 10, conforme este modelo;
  • Em sua extensão, a resenha completa não deve exceder 3 (três) páginas, podendo conter no mínimo 1 (uma) página.
Categorias
Dicas TCC

Referencial Teórico: O que é, como fazer, exemplos

Um trabalho de conclusão de curso é composto de diversos tópicos e entre eles o referencial teórico. Em suma, é o resumo de ideias levantadas por outros autores sobre a temática. Assim, serve como base de sua pesquisa.

Neste artigo você aprenderá o que é um referencial, como fazer e as normas ABNT. Desta forma, acabará com todas as dúvidas sobre o tema. Por fim, não cometerá erros durante a produção de seu trabalho.

O que é um Referencial Teórico

Um referencial teórico é um resumo de discussões de outros autores sobre determinado assunto. Em geral ele deve servir como embasamento para construção de seu artigo.

Os autores escolhidos para o referencial devem ter autoridade no assunto. Ou seja, com grandes pesquisas e descobertas na área. Assim, você poderá colher informações a serem apresentadas em seu TCC.

Para realizar o referencial é importante que consulte a obra desses autores. Por exemplo, livros e artigos. Por fim, deverá colher o ponto de vista e argumentos utilizados por eles.

Como fazer

Para construir o referencial teórico é preciso inicialmente listar todos os tópicos que abordará sobre o assunto. Em seguida, comece a pesquisar os autores que são referências neles.

Livros, produções audiovisuais e artigos são alguns dos materiais usados. Logo, leia os autores selecionados e anote as principais ideias que serviram como embasamento de seu trabalho.

Na construção do referencial, evite citar repetidamente um autor. Ou seja, vá mesclando as ideias principais de todos que serão citados ao longo de seu TCC. Desta forma, trará ainda mais credibilidade para sua pesquisa.

Referencial Teórico

Referencial Teórico nas normas ABNT

Como todas as partes de um TCC, o referencial teórico também deve seguir as normas da ABNT. Logo, há alguns pontos que merecem atenção para que esteja tudo dentro das regras.

É preciso que cada parágrafo possua ao menos dois pontos. Ou então, duas frases completas. Também evite finalizar com citação, o ideal é que desenvolva a ideia e faça uma explicação com base nela.

Evite o uso de materiais que não sejam paginados ou não possuam autores. Afinal, poderá descredibilizar seu trabalho. Desta forma, opte apenas por conteúdos completos.

Outro ponto de atenção é em relação as citações. Em resumo, há três tipos que podem ser usadas em seu trabalho. Portanto, a formatação delas também difere uma da outra.

  • Direta é aquela da qual você copia exatamente o texto do autor;
  • Indireta é quando você transcreve o texto original com suas palavras;
  • Citação de citação, ou apud, é quando você cita algo de um autor que encontrou no livro de outro.

Cada uma dessas citações possuem uma formatação diferente nas normas ABNT. Por exemplo:

  • Indireta segue a mesma formatação do texto;
  • Direta curta não pode ultrapassar três linhas e leva aspas;
  • Longa é quando tem quatro ou mais linhas. Inicia em um novo parágrafo, recuo de 4cm a esquerda, fonte 10 e espaçamento simples.

Escrevemos um artigo sobre como fazer citação direta e indireta.

Referencial Teórico x Referencial bibliográfico

Há uma confusão entre referencial teórico e o bibliográfico. Mas já adiantamos que apesar dos nomes parecidos, as finalidades são diferentes. Inclusive, dentro do trabalho eles ocupam papeis distintos.

O teórico, como dito, é o embasamento do seu trabalho. Aliás, é um dos primeiros tópicos a ser descrito no TCC. Ou seja, é uma das obrigatoriedades da qual você descreve os pontos de estudo.

Na parte teórica há as citações que reforçam a credibilidade. Afinal, mostra que sua pesquisa é norteada por autores de renome no assunto. Além disso, já explica um pouco do que será tratado.

Já a referência bibliográfica é uma lista, do final do TCC, que consta todos os subsídios utilizados. Por exemplo, livros, sites, artigos, revistas, entre outras coisas. Porém, sempre seguindo as normas da ABNT.

Categorias
Regras ABNT

Como fazer metodologia de pesquisa do TCC

A metodologia de pesquisa é uma das partes mais importantes de um TCC. Pois é a metodologia que apresenta os critérios utilizados pelo pesquisador, que legitimam o seu trabalho enquanto científico, calcado em um método.

Neste artigo, vamos explicar o que é metodologia de pesquisa de um TCC, ou seja, de um Trabalho de Conclusão de Curso. Como também apontar como a metodologia deve ser elaborada.

O que é a metodologia de pesquisa

A metodologia é uma explicação detalhada dos critérios científicos adotados pelo pesquisador para nortear a sua investigação. Desse modo, a importância da metodologia está nos seguintes fatores:

  • Estabelecer a objetividade e imparcialidade do pesquisador;
  • Permitir que outro pesquisador desenvolva a mesma pesquisa.

Temos de ter em vista que a metodologia é um caminho a ser percorrido para alcançar um objetivo previamente definido. Por isso, existem critérios que devem ser definidos para que a pesquisa possa ser realizada.

Vamos apresentar um passo a passo de quais critérios devem ser definidos para elaborar uma metodologia de pesquisa.

Definição da natureza da pesquisa

Este critério está relacionado com a utilidade que será dada a pesquisa a ser desenvolvida. Desse modo, a diferença entre a pesquisa aplicada e a básica está justamente na finalidade com que são desenvolvidas, pois

De um lado, se a pesquisa pretende resultar em uma utilização direta e imediata para a solução de um problema específico, ela é uma pesquisa aplicada. Exemplo: as pesquisas para encontrar a cura do Covid-19.

Por outro lado, se a pesquisa tem por objetivo produzir conhecimento, envolvendo interesses universais e verdades, ela é uma pesquisa básica. Exemplo: as pesquisas sobre o planeta Marte.

Clique abaixo e veja outros artigos que podem te ajudar:

Escolha da forma de abordar o problema

Neste critério, o que está sendo definido é a forma como o problema deve ser observado e tratado. Ou seja,

De um lado, temos as análises quantitativas, que são baseadas em dados e números. Por isso utilizam técnicas estatísticas, tais como: percentagem, média, desvio-padrão, dentre outras.

Por outro lado, temos as análises qualitativas, que são baseadas em informações e variáveis não matemáticas. Ou seja, dependem de interpretação do pesquisador, destacando o seu aspecto subjetivo.

metodologia de pesquisa do TCC

Estabelecer o foco dos objetivos de pesquisa

Este critério é importante pois estabelece o sentido geral a partir do qual a pesquisa deverá ser conduzida. Ou seja, a pesquisa será desenvolvida para:

  • Aprender mais sobre um assunto;
  • Estabelecer relação entre variáveis;
  • Explicar o porquê de determinado problema.

Partindo desses critérios a pesquisa pode ser classificada como tendo um desses três objetivos indicados:

Exploratória

Neste objetivo o propósito é permitir uma maior familiaridade do pesquisador com o tema. Exemplo: estudo da cidade azul.

Descritiva

Neste objetivo são realizadas análises minuciosas e descritivas do objeto de estudo metodologia de pesquisa do TCC, focando na relação entre variáveis. Exemplo: pesquisas de mercado.

Explicativa

E, neste último objetivo, a pesquisa é desenvolvida para identificar e explicar as causas de determinado problema do objeto de estudo. Por isso, estão mais focadas em explicar o porquê das coisas. Exemplo: estudo do nióbio para cura do Covid-19.

Técnicas de como fazer a pesquisa

Nestas técnicas, vamos definir quais serão os procedimentos metodológicos a serem realizados para que a pesquisa seja desenvolvida passo a passo. Como também especificar o como fazer para desenvolver a proposta de trabalho.

Existem várias alternativas de escolha para os procedimentos metodológicos. Sendo que todos estão relacionadas com as formas de fazer a pesquisa. Em termos gerais, podemos apresentar os mais utilizados a seguir:

Pesquisa bibliográfica

É um tipo de procedimento que é elaborado a partir de material já publicado, tais como livros, artigos, periódicos, dentre outros.

Esta forma de pesquisa pode ser considerada como um tipo de revisão bibliográfica ou levantamento bibliográfico. Exemplos: investigações sobre ideologias.

Pesquisa documental

Podemos considerar como documental aquela que é realizada em material que não recebeu nenhum tipo de tratamento analítico. Exemplo: certidão de nascimento.

Pesquisa de campo

Esta tem por característica ser realizada uma coleta de dados junto às pessoas envolvidas. Exemplo: estudo da comunidade dos Arthuros.

Pesquisa ex-post-facto

Neste tipo estão as investigações de relações de causa e efeito entre um determinado fato e um fenômeno posterior. Exemplo: estudo evasão escolar.

Pesquisa experimental

Para este tipo é determinado um objeto de estudo e tem por objetivo selecionar as variáveis que são capazes de influenciá-lo. Tendo de definir as formas de controle e de observação dos efeitos da variável no objeto.

Estudo de caso

Este tipo envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, buscando mais detalhes. Exemplo: eleição do diretor x da escola y.

Pesquisa participante

Esta modalidade envolve o pesquisador com o grupo de pessoas investigadas. Exemplo: pesquisa de plataformas políticas.

Pesquisa-ação

Neste tipo é feita uma associação entre a teoria e a ação. Por isso, faz os pesquisadores e participantes se envolverem de forma cooperativa.

Portanto, as variáveis que compõem uma metodologia de pesquisa estão classificadas quanto à natureza, à abordagem, aos objetivos e aos procedimentos. A escolha de cada uma depende efetivamente dos objetivos estabelecidos para a pesquisa.

Categorias
Dicas TCC

Fundamentação Teórica: Como fazer, exemplos

Ao escrever um trabalho acadêmico, é essencial que você tenha uma fundamentação teórica para “provar” o que está sendo dito. Que tal conhecer mais sobre o assunto? Veja só!

Todos os artigos ou estudos que você lê, atualmente, tem uma fundamentação teórica como base. Afinal, atualmente as ideias e estudos são aperfeiçoados.

No meio acadêmico, ao construir textos e trabalhos, como o trabalho de conclusão de curso, você precisa de fundamentos teóricos de autores que já estudaram sobre o assunto para provar a sua tese. Ou seja, mais confiável.

Que tal conhecer mais sobre o assunto e, ainda por cima, aprender a fazer uma fundamentação teórica? Sem dúvida, você precisará estar a par sobre o assunto para escrever as suas pesquisas.

O que é Fundamentação Teórica

De fato, a fundamentação teórica nada mais é do que estudos feitos anteriormente que colaboraram para a construção de uma outra tese. São esses estudos feitos anteriormente que ajudaram a firmar o seu estudo.

Pense pela seguinte forma: ao querer saber mais sobre algo, você passa a estudá-lo, certo? São esses materiais de estudo, nos quais são feitas uma espécie de revisão, que são os seus fundamentos.

Para que serve a Fundamentação Teórica

Sem dúvida, a fundamentação teórica é muito importante. Quando usada de maneira correta, ela passa mais credibilidade à sua pesquisa ou trabalho acadêmico.

Além disso, os fundamentos de sua pesquisa também servem para orientar para a análise e interpretação dos dados apresentados em seu estudo. Aliás, é imprescindível que o conteúdo coletado seja analisado a partir de referenciais existentes.

Onde é usada

A fundamentação teórica é utilizada, geralmente, em trabalhos acadêmicos e no meio científico. Além disso, ela é essencial para os trabalhos de conclusão de curso (TCC).

Geralmente, o fundamento teórico é usado em dois momentos muito importantes da pesquisa: na parte da elaboração do projeto e na redação final.

Por assim dizer, é a fundamentação teórica que dá corpo ao seu trabalho. Afinal, será preciso utilizá-la do começo ao fim do projeto. Desde a etapa de descobrir no que focar, até a última página de elaboração.

Como fazer uma Fundamentação Teórica para o TCC

Como foi dito, a fundamentação teórica é muito importante e pode acrescentar mais crédito a sua pesquisa. Por isso, é de extrema importância que ela seja muito bem elaborada.

Para não ter erro na elaboração de seu referencial teórico, há algumas dicas. Veja o que fazer para mandar bem em seus trabalhos:

  • Esteja sempre atento às normas técnicas usadas em pesquisas científicas. Conhecer as normas da ABNT, por exemplo, é de extrema importância;
  • Tenha tenção na hora de escrever o seu referencial. Uma fundamentação teórica mal escrita pode desvalorizar – e muito – o seu trabalho;
  • Não tente, sob nenhuma hipótese, plagiar o conteúdo. Sempre que usar uma frase que não foi construída por você, cite. Aliás, lembre-se que plágio é crime;
  • Pesquise diversos autores que escrevam sobre a sua área de estudo. Não use apenas um ou dois. Afinal, é importante haver mais de uma pessoa falando para provar que a tese está correta.

Saiba quais são os pontos chave

Além das dicas encontradas neste artigo, ainda é muito importante que você identifique os pontos principais, ou chaves, do seu trabalho. Sendo assim, pense nos principais conceitos que estão conectados ao objeto de análise.

Após isso, é necessário que um caminho de histórico de pesquisas seja traçado. Assim, é possível filtrar os pontos mais importantes e selecionar os autores que mais lhe interessam para a sua fundamentação teórica.

Tente, inclusive, encontrar pesquisadores que apresentam diferentes abordagens sobre um mesmo assunto. Desta maneira, é possível que você faça algum tipo de comparação que enriquecerá a sua pesquisa.

Fundamentação Teórica nas normas da ABNT

Quando é falado de fundamentação teórica, as normas da ABNT vêm, como se fosse m dois assuntos interligados. E, de fato, são. Afinal, seu referencial precisa seguir um conjunto de regras para que tenha mais credibilidade.

No momento em que você for fazer o seu trabalho de conclusão de curso, sua universidade, faculdade ou centro universitário, lhe oferecerá certas instruções. Afinal, apesar de ser uma regra geral, a ABNT é levemente adaptada.

O que é possível afirmar é que você não pode, sob hipótese alguma, deixar de citar um autor. Seja de forma direta, na qual você copia a frase tal qual foi criada, ou indireta, na qual você parafraseia o autor, cite-o.

Há certas normas a serem seguidas quando o assunto é citação de autor. Você, por exemplo, deve ter o trabalho de origem – seja livro ou artigo científico -, o autor e o ano. Essas são as informações mais essenciais.

As citações mudam conforme o veículo do qual o que está sendo citado foi retirado. Assim, você precisa estar atendo a todos os detalhes na hora de redigir e formatar o seu trabalho.

Fundamentação Teórica e Referencial Teórico é a mesma coisa?

De fato, a fundamentação teórica recebe diversos nomes. Ela também é conhecida como pesquisa bibliográfica ou referencial teórico. Não á nenhuma diferença entre os três nomes.

Aliás, ela chamada por esses três nomes porque ela serve de fundamento ou referência para um estudo que está sendo elaborado. Assim, ao elaborar um estudo, é feito uma pesquisa, por isso pesquisa bibliográfica também.

Exemplo de fundamentação teórica

Agora que você já sabe tudo sobre fundamentação teórica, que tal ver um exemplo para entender de uma vez por todas o que é e como funciona? Veja a seguir:

Viu como não é tão complicado? No exemplo, você pode observar que os autores estão sendo citados tanto em citações diretas quanto em indiretas. A diferença é que a primeira está entre aspas duplas (“-”), e a segunda não.

Exemplo 1
Kotler (1996, p. 25) afirma que “o pensamento de marketing começa com as necessidades e os desejos humanos”. Tendo como visão principal as pessoas e o que elas precisam.
Exemplo 2
O marketing tem como definição o planejamento e a execução das necessidades e desejos do consumidor em forma de concepção, promoção, preço, distribuição de idéias com o objetivo de alcançar a satisfação de pessoas e de organizações (SIMÕES, 1985, p. 11).

De fato, a fundamentação teórica não é tão complicada quanto parece. No entanto, para facilitar o seu trabalho, anote as páginas citadas, bem como o autor (AS MÍDIAS E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E ENSINO, Rosi Martendal, página 2). Assim, caso você não consiga formatar, poderá pagar para alguém fazer.

Quer baixar modelos de fundamentação teórica? Clique aqui

Para fechar, não deixe que o medo de fazer o referencial teórico atrase você. O TCC ou os artigos acadêmicos são etapas pelas quais é preciso passar. Encare sem medo!

Categorias
Dicas TCC

Como fazer uma correção de TCC: Dicas essenciais

Para fazer a correção de TCC, existem algumas normas que devem ser obedecidas e que podem ser fatais ao trabalho. Sendo assim, para essa tarefa, a atenção aos detalhes é um elemento fundamental ao corretor.

Quer saber como fazer a correção de TCC? Descubra as dicas de como não deixar passar nenhum erro despercebido e garantir a nota máxima ao trabalho.

Somente uma boa olhada aos fatos com as orientações e dicas corretas é possível revisar de modo certeiro um TCC. Certamente, o presente artigo tem tudo isso e pode ajudar quem pretende corrigir um trabalho de conclusão.

Como funciona a correção de TCC

Diferente do que muitos pensam, a correção de TCC não é só mudar os erros de gramática de quem fez. Mas também, é garantir que o corpo do texto esteja dentro de um padrão chamado normas ABNT, além de outras coisas.

E apesar de o TCC ser para o final de um curso, ele é montado enquanto a pessoa estuda. Então, a depender do orientador, as correções do trabalho podem ser feitas durante o tempo de estudo do universitário.

correção de TCC

 

O que são as normas ABNT

A associação Brasileira de Normas Técnicas é um grupo privado que não tem fins lucrativos e faz as normas técnicas no Brasil. Nesse sentido as normas ABNT foram criadas para padronizar os trabalhos acadêmicos.

Portanto, é uma das coisas necessárias para fazer a correção de TCC e apresentar um trabalho de qualidade. Desse modo, quem corrige trabalhos de conclusão de curso precisa estudar e entender esse padrão de escrita.

Veja mais artigos que possa te ajudar no seu TCC:

Quando a correção de TCC deve ser feita

Os momentos de correção vão depender do orientador do trabalho, pois podem ser periódicos, ou seja, enquanto ele é feito. Porque, os erros as vezes passam sem ser percebidos e se cair na mão da banca com erros pode ser fatal.

Assim, cada parte do texto tem que ser corrigida e avaliada com o olhar mais crítico possível sem espaço para erros. Nesse sentido, para cada capítulo feito uma correção geral de alguns pontos citados abaixo deve ser feita.

A correção de TCC, garante um texto com o mínimo de erros e isso é o que dá valor a qualquer documento. Uma vez que mostra que o estudante conseguiu concluir o curso e se tornou um profissional na área.

Por isso, quando acontece a correção, a pessoa responsável olha se o trabalho atende ao que se espera. Logo, é importante corrigir erros e defeitos assim que eles aparecerem e com isso o trabalho estará pronto para receber dez.

O orientar é quem vai definir os períodos que ele vai poder corrigir. Entretanto, um jeito que deixa fácil a correção do trabalho acadêmico é estabelecer um cronograma com ele. Dessa maneira, tudo ficará bem estabelecido.

Dicas para corrigir o TCC ( a última é a que indicamos)

Corrigir um TCC não é uma tarefa simples, já que existem muitos detalhes que devem ser avaliados. Por causa disso, seguem abaixo algumas dicas para a correção de TCC:

  • Corrigir o trabalho a cada capítulo;
  • Anotar todos os erros percebidos;
  • Verificar a forma como está escrito, pois tem que ser a mais profissional e objetivo possível;
  • Reler o texto várias vezes;
  • Cuidar de cada parte detalhadamente;
  • Conferir se as citações de outros autores estão corretas;
  • Avaliar as legendas das imagens e das tabelas;
  • Avaliar se o roteiro foi seguido.

Roteiro para correção de um TCC

Muitos orientadores de TCC fazem um roteiro para ser seguido e o trabalho da correção ser facilitado. Segue abaixo o roteiro de um TCC:

  • Dados sobre quem está fazendo o trabalho;
  • Quantidade de páginas de acordo com o que foi pedido;
  • Ver o resumo que deve ser objetivo e com no máximo 30 linhas;
  • Analisar o título e ver se ele está de acordo com o foi escrito;
  • Olhar se a introdução está completa;
  • Dentro do texto, ver se a coesão e a coerência foi respeitada;
  • Identificar se as considerações finais trazem o problema e as soluções;
  • Examinar as fontes;
  • Sondar as notas de rodapé;
  • Ver o que precisa ser melhorado e dar meios de melhorar os erros cometido
  • Entregar seu trabalho a um especialista ( indicamos a Studybay Brasil, especialista em trabalhos acadêmicos)
Categorias
Regras ABNT

Formatação ABNT para TCC e Monografia

Confira o nosso guia de formatação ABNT e deixe o seu TCC dentro dos padrões.

A entrega do TCC ou monografia com a formatação ABNT correta é sempre algo que deixa os alunos bastante estressados. Isso porque, além de produzir um bom conteúdo, há ainda todas aquelas regras que devem ser seguidas.

Vale ressaltar que estas regras são importantes e servem para que todos os trabalhos acadêmicos sejam formatados da mesma forma. Isso facilita ao leitor de diferentes regiões do país a entender quais seções serão apresentadas e onde encontrar as informações que precisa.

Este é mais um dos artigos, da nossa série de artigo que falam sobre a formatação ABNT, e em como deixar o seu trabalho adequado aos requisitos da norma.

PRECISA DE AJUDA PARA FAZER SEU TCC? ENTÃO CLIQUE AQUI

Importância da formatação ABNT para o TCC ou monografia

A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) é responsável pela criação e atualização de diferentes normas técnicas brasileiras.

Estas normas podem ser utilizadas desde a certificação de produtos até mesmo para a produção de documentos escritos, como é o caso do trabalho acadêmico que você precisa produzir para finalizar o seu curso universitário.

Como estas normas ABNT são aplicadas em todo o país, criou-se um padrão para que o trabalho de conclusão de curso fosse apresentado.

Desta forma, pesquisadores, alunos e avaliadores de diferentes instituições e regiões do país já estão familiarizados com a forma como estes trabalhos são apresentados.

Afinal de contas, já imaginou a bagunça que seria se cada aluno ou instituição pudesse entregar o seu trabalho da forma que quisesse?

O resultado provavelmente seria que as fontes, tamanho de letra, formatação de capa, seções, citação e referências bibliográficas seriam todas diferentes. O que dificultaria muito para quem precisasse avaliar ou consultar estes trabalhos.

Formatação ABNT

Formatação ABNT: Margens e número de páginas

Antes de começar a escrever qualquer coisa é imprescindível que você faça os ajustes das margens que serão utilizadas. A boa notícia é que as margens do trabalho são as mesmas ao longo do documento inteiro:

  • Superior e esquerda: 3 cm
  • Inferior e direito: 2 cm

O tamanho do papel deve ser configura para A4. E com exceção das ilustrações, todo o resto deve ser feito na cor preta.

Quer saber mais sobre margens? Fizemos um artigo bem especifico e com exemplos, confira abaixo:

Passo a passo de como configurar a margem ABNT no word

Em seguida, é preciso incluir o número de página. É importante dizer que a capa não deve ser numerada. A numeração deve iniciar na folha de rosto, que deve ser a página número 1 do documento.

Apesar disso, a numeração deve aparecer somente a partir da primeira folha dos elementos textuais, ou seja, na introdução. A numeração deve ser inserida no canto superior direito da folha e em algarismos arábicos.

Com exceção da capa e da folha de rosto, os demais itens do TCC deve ter espaçamento entre linhas de 1,5.

O autor pode escolher qual a fonte que ele prefere utilizar, Arial ou Times New Roman. Durante o texto ela deverá ser tamanho 12. Para a capa e folha de rosto existe uma formatação específica que podem ser conferida no nosso artigo.

Formatação ABNT: elementos pré-textuais

Agora que você já configurou os primeiros itens da formatação ABNT do seu trabalho acadêmico, é hora de seguir para cada um dos elementos pré-textuais.

Para mais informações temos um artigo falando apenas sobre a formatação ABNT para capas de TCC.

Capa

A capa é obrigatória de acordo com as normas ABNT. Ela deve conter as seguintes informações: nome da instituição, nome do aluno (autor), título do trabalho, subtítulo (quando houver), número de volumes (caso seja necessário), cidade, ano de entrega.

Para as dissertações de mestrado e teses de doutorado há a necessidade de realizar a encadernação do trabalho. Neste caso cada instituições possui o seu padrão de cor de capa, cor de letra e tamanho. Confira sempre o manual da sua instituição de ensino.

Folha de rosto

A folha de rosto possui formatação semelhantes a da capa, com o acréscimo das seguintes informações: natureza do trabalho (tese, dissertação, TCC), objetivo (aprovação em disciplina ou o grau que será obtido), área de concentração e nome do orientador e coorientador.

Folha de aprovação

Na folha de aprovação o aluno deve colocar o seu nome, o título e subtítulo do trabalho, qual a natureza e o objetivo do trabalho, o nome da instituição, área de concentração, data de aprovação, e o nome e titulação de cada um dos componentes da banca avaliadora.

Esta folha deverá ser assinada por todos os membros da banca avaliadora, mostrando que eles estão em acordo com a aprovação do aluno.

Dedicatória, agradecimentos e epígrafe

Estes itens não são obrigatórios, cabendo ao aluno (ou autor) decidir se irá incluí-los ou não.

Optando pela inclusão da dedicatória e da epígrafe, eles devem ser escritos no final da página, alinhados ao lado direito da folha, e com 10-15 cm de largura.

A dedicatória nada mais é do que as pessoas para quem você dedica o seu trabalho. A epígrafe é uma frase que você considera marcante durante o seu trabalho.

Os agradecimentos devem ser àquelas pessoas e instituições que foram importantes durante a realização do seu TCC. O texto deve vir alinhado à esquerda, com o mesmo espaçamento utilizado para os demais elementos do texto.

Resumo: em português e em língua estrangeira

O resumo em português e em língua estrangeira são elementos obrigatórios de todo TCC ou monografia. Eles são uma forma rápida do leitor saber o que você estudou, quais os resultados encontrados e a conclusão que você tirou.

O objetivo do resumo é fazer com o que leitor fique curioso para saber mais detalhes a respeito do texto, e queira ler o trabalho na íntegra. É importante lembrar que o texto deve ser conciso, claro, e não ter mais do que 500 palavras.

O resumo em língua estrangeira geralmente é feito em inglês (abstract), mas pode também ser feito em espanhol (resumen) ou em francês (Résumé). A Norma ABNT NBR 6028 foi a que elaborou este resumo estrangeiro.

resumo língua estrangeira

Logo após o resumo, devem ser mostradas as palavras-chave. Estas são palavras que estão relacionadas ao que foi estudado no trabalho, que não constam no título ou subtítulo e que irão auxiliar nos sistemas de buscas de bibliotecas.

O resumo deve ser escrito com alinhamento justificado e em um parágrafo único.

Listas

Outro item não obrigatório é a inclusão das listas, que podem ser de ilustrações, tabelas, abreviações e símbolos. A lista serve para que você enumere cada um dos itens mencionados, na lista apropriada.

Como mencionado este não é um item obrigatório, mas pode facilitar a leitura de quem está fazendo a avaliação ou buscando mais informações no seu TCC ou monografia.

Sumário

O sumário é um item obrigatório da formatação ABNT. Ele deverá conter todas as seções dos elementos textuais, com títulos e subtítulos de cada seção, bem como o número da página em que se inicia a seção.

Passo a passo do sumário para o trabalho acadêmico

sumario formatação ABNT

Formatação ABNT: elementos textuais

Acompanhe agora a formatação ABNT para os elementos textuais.

Introdução

É neste trecho do TCC que o autor deverá expor e delimitar qual tema será abordado durante o texto. Ele serve para orientar o leitor sobre um breve levantamento do que existe na literatura e quais são as lacunas.

O objetivo do trabalho também deve vir na introdução, geralmente no último parágrafo desta seção. O objetivo nada mais é do que as perguntas que serão respondidas durante o trabalho acadêmico.

A formatação ABNT orienta que o nome da seção, seja escrito em letras maiúsculas e em negrito. Subseções devem vir escritas somente com a primeira letra maiúscula e também em negrito.

Cada uma das seções deverá ser numerada com algarismos arábicos. Essa numeração deve ser progressiva ao longo de todo o documento. Subseções devem ser numeradas de acordo com o número da seção em que está contido.

Desenvolvimento

Esta é a parte central do trabalho, onde o autor irá contar qual foi a metodologia utilizada para responder as perguntas propostas. O número e nome de seções pode variar conforme o tipo de trabalho realizado.

Por exemplo, no caso de TCC experimentais, o aluno deverá apresentar uma seção com nome “Material e Métodos”, seguida por uma seção de “Resultados” e “Discussão”.

Conclusão

A conclusão é a única parte em que o aluno poderá expor a sua opinião a respeito do que foi estudado, e qual foi a conclusão a qual ele chegou. A conclusão do TCC geralmente é um único parágrafo, os dados dos resultados não devem ser repetidos aqui.

Formatação ABNT: elementos pós-textuais

Confira agora a formatação ABNT para os elementos pós-textuais.

– referências bibliográficas

É obrigatório apresentar uma lista com as referências bibliográficas utilizadas para a elaboração do trabalho.

A forma de fazer a referência pode variar conforme o tipo de texto (artigo científico, livro, entrevista) ou arquivo (publicado, digital ou online).

Nós temos um outro artigo completo, explicando como fazer todos os tipos de citação. A formatação ABNT para as referências deve ser seguida a risca. Portanto, é imprescindível prestar atenção a pontuações, espaços e vírgulas.

– glossário, apêndice, índice e anexos

Estes itens não são obrigatórios, entretanto eles podem ser de grande auxílio para aumentar a relevância e o entendimento do trabalho para os leitores e para a banca avaliadora.

Caso o aluno possua alguma publicação científica ela pode vir incluída no trabalho como anexo.

Já o glossário pode ser interessante para textos com muitos termos técnicos que possam requerer uma explicação extra. O mesmo é válido para o índice.

Formatação ABNT, considerações finais

Como você pode perceber um trabalho acadêmico possui muitas etapas, muitas partes e cada uma delas exigindo uma formatação diferente.

O mais importante é seguir os guias, e nós temos outros artigos explicando detalhadamente cada uma das formatações requeridas pela ABNT.

Apesar disso, não se esqueça que o conteúdo precisa ser bem escrito, em bom português e aplicando-se corretamente todas as regras gramaticais.

Lembre-se, a sua nota final será composto por formatação e conteúdo. Portanto, capriche nos dois!

Caso ainda esteja na fase de projeto de pesquisa, preparamos um artigo especial, um guia fantástico sobre o assunto. Confira abaixo.

Categorias
Dicas TCC

Glossário ABNT: Como fazer e tipos

Contudo, antes de iniciar uma nova etapa, a entrega do Trabalho de Conclusão de Curso deve ser impecável, ou pelo menos quase isso. Dessa forma vamos falar sobre o glossário ABNT neste artigo.

Para estudantes de nível universitário ou mais o momento de entregar o trabalho de conclusão de curso é muito importante. Com a finalização do TCC o estudante passa para a fase da profissionalização.

Com isso vamos auxiliar a quem ainda tem dúvidas em como realizar um glossário e dentro das normas técnicas exigidas. Garantindo que o TCC fique dentro das especificações e assim obtenha a nota máxima.

O que é glossário ABNT?

O glossário nada mais é que um índice com palavras contidas no texto ou trabalho de conclusão de curso ( elas devem estar em ordem alfabética). Palavras que o significado não é muito comum para pessoas de outras aéreas de atuação. Resumindo o glossário deve estar em ordem alfabética

Ainda, as palavras definidas no glossário podem auxiliar no momento da correção do trabalho. Assim como, evitar casos de interpretações incorretas como as estrangeiras e as menos utilizadas no dia a dia.

É importante salientar que o glossário é um elemento pós-textual opcional, ou seja, caso não queira inclui-lo em seu trabalho, isso não o prejudicará.

Como fazer um glossário

Para se fazer um glossário ou tipo de dicionário de palavras especificas, o estudante deverá seguir algumas regras. Sempre lembrando que as regras devem estar dentro das normas para glossário ABNT.

Mesmo não sendo um item obrigatório no TCC, o glossário é recomendado pois auxilia os avaliadores. Além disso, mesmo que a banca tenha conhecimento do assunto, algumas palavras podem ser novas ou mesmo desconhecidas pelos membros.

Dessa forma, o estudante além de incluir informações relevante no trabalho, também demonstra cuidado pela pesquisa realizada e pelos avaliadores. Além disso, o glossário geralmente possui muitos termos técnicos e seus significados.

Existem vários tipos de glossário que veremos mas adiante. Assim, o estudante pode escolher o que mais se adéqua ao seu tipo de trabalho. Além disso, para se fazer um glossário é necessário:

  • Ser claro e objetivo nas explicações e terminologias;
  • Selecionar bem os verbetes que serão utilizados;
  • Realizar uma revisão de todo o texto para checar as terminologias;
  • Apresentar explicações com fatos concretos;
  • Ter sua pesquisa baseada em fontes confiáveis.

glossário ABNT

 

Tipos de glossário

Como dito anteriormente, existem vários tipos de glossário ABNT. Onde dependendo do contexto do trabalho de conclusão de curso, pode exigir mais ou menos informações.

Sendo assim os tipos de glossário podem ser bilíngues, focados em conceitos e termos. Como também existem glossários para termos de informática ou mesmo biologia, tudo dependendo da área de estudos.

Lembrando, que o estudante devera consultar o seu mentor sobre o melhor tipo de glossário para o seu trabalho. Dessa forma garantindo uma melhor avaliação do trabalho de conclusão de curso.

Veja mais artigos que possam te ajudar:

Exemplos de Glossário ABNT

Para se formatar um glossário o estudante devera seguir as normas técnicas da ABNT, como descritas abaixo:

  • Alinhar os termos do glossário na margem esquerda;
  • Sempre iniciar as palavras com letra maiúscula;
  • Quando necessário separar as palavras do significado utilizando dois pontos e um espaço;
  • Utilizar letra maiúscula na primeira letra por extenso do significado;
  • Aplicar espaço simples entre os termos.

Como exemplo vamos utilizar um glossário ABNT com termos de educação a distância onde a formatação será também exemplificada:

Agenda: Arquivo em PDF encontrado no ambiente virtual de aprendizagem que contém a programação do dia, da semana e do período do curso da unidade curricular.

Biblioteca: Local em que se armazena e organiza documentos digitais, permite consulta via WEB, desses documentos.

Enquete: Ferramenta disponível exclusivamente aos membros cadastrados em um site, matriculados numa turma, etc. serve para pesquisas de opinião entre os membros de um grupo.

Estudo autônomo: Em educação à distância, o termo autonomia é usado para evidenciar a independência do aluno em relação aos professores, havendo liberdade de tempo.

glossário ABNT

Quer baixar este modelo de glossário ou outros modelos de trabalho acadêmicos?

Clique no link abaixo:

Categorias
Dicas TCC

Errata ABNT para TCC: Como fazer conforme as normas

Aprenda como fazer a Errata ABNT para TCC. O que é, quais elementos deve conter e a formatação correta. Também veja exemplos que simplificam ainda.

Você sabe como proceder caso cometa algum erro durante o desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso? Por exemplo, cometeu uma falha de digitação, formatação, de citação ou outra. Logo, use a Errata ABNT.

Este é um dos elementos menos comentados de um trabalho de conclusão de curso. Afinal, ninguém deseja cometer um erro durante o projeto tão importante quanto esse.

Neste artigo, entenda melhor o que é a errata e o que deve conter. Também veja os casos em que ela é utilizada e como fazer. Logo, aprenda a formatação ideal. E para não restar dúvidas, apresentamos alguns exemplos.

O que é errata ABNT?

A Errata ABNT é um tópico do TCC, opcional, que deve ser indicado os erros encontrados no trabalho. Logo, deve seguir a formatação ABNT e apresentar o erro e a forma correta.

Em geral, ele deve ser apresentado após a folha de rosto, em um papel A4 e avulso. Afinal, se você utiliza a errata quer dizer que a impressão final está pronta e não foi alterada.

O que deve conter na errata?

A princípio a Errata ABNT tem informações básicas que devem ser apresentadas. Assim sendo:

  • Nome do autor do TCC;
  • Título do trabalho de conclusão;
  • Subtítulo, caso tenha;
  • Tipo de trabalho;
  • Objetivo;
  • Instituição;
  • Área de concentração;
  • Data de aprovação.

Pode ser que seu orientador peça para suprimir alguns desses itens. Ou ainda, que o manual oficial da sua instituição apresente uma forma resumida. Logo, indicamos sempre que os alunos sigam o que é proposto pela sua universidade.

Errata ABNT para TCC

Quando deve ser feita a errata ABNT? Onde deve ser inserida?

A Errata ABNT deve ser feita sempre que houver um erro no trabalho de conclusão de curso. Entretanto, deve ser quando não há possibilidade de arrumá-lo na versão final.

Por exemplo, você já realizou a impressão final e tem apenas uma citação ou palavra errada. Assim, uma forma mais fácil ao invés de reimprimir é fazer a errata e adicioná-la no documento final.

Em geral, a errata é um documento a parte entregue com o trabalho. Ou seja, uma folha avulsa de A4, com a formatação ABNT, inserida após a folha de rosto. Também não precisa conter numeração, mas faz parte de seu trabalho final.

Para entregá-la, o recomendado é que seja no dia da apresentação do trabalho. Desta forma, indica-se que você faça uma versão extra para cada membro da banca examinadora. Logo, entregue antes mesmo de começar sua explanação.

Qual a formatação?

Como a Errata ABNT também é uma parte do TCC ela deve conter a formatação correta. Sendo assim, será preciso:

  • Escreva errata centralizado e em negrito. A fonte é times new roman, tamanho 12;
  • Após escrever aperte a tecla entre três vezes, para o espaçamento necessário;
  • Depois coloque em justificar e faça a citação completa do trabalho;
  • Em seguida, crie uma tabela, com os itens centralizados, bem como o conteúdo das linhas seguintes.

Exemplos de errata ABNT

Veja abaixo alguns exemplos de errata para facilitar seu entendimento.

  • SILVA, M. R. de Ciências Contábeis. 2009. 78f. Trabalho de Conclusão (Bacharelado em Ciências Contábeis) – Faculdade Católica do Tocantins, 2011.
Folha Linha Onde se lê Leia-se
82 20 Pressupostos Pressupondo-se
15 42 Interpretação dos resultados Apresentação dos resultados
74 1 Instrumentos Instrumento

 

  • FERO, Maurício Gomes. Comportamento de jovens da comunidade Santa Marta em rolezinhos de shopping: um estudo antropológico, 2015. 150f. Dissertação. Programa pós-graduação em ciências sociais, Universidade Livre Fluminense, Rio de Janeiro, 2015.
Folha Linha Onde se lê Leia-se
25 10 Auto-retrato Autorretrato
57 15 Concerto Conserto
92 17 Maria Violante Maria Telma
102 13 57.000.320 57.050.325

Assim, com os exemplos acima é possível compreender a melhor forma de apresentar sua errata. A princípio, o número de linhas varia de acordo com os erros que possuir seu documento.

Entretanto, o ideal é que seu trabalho de conclusão de curso não apresente erratas. Logo, reserve um bom tempo apenas para revisão. Assim poderá certificar-se que está entregando tudo com a melhor qualidade possível.

Também conte com o auxílio de seu orientador. Portanto, durante todo o processo, peça que ele faça revisões para evitar problemas na entrega final. Em resumo, mantenha sempre sua atenção em todo o período de produção

Categorias
Dicas TCC

Vícios de linguagem que você deve evitar

Vícios de linguagem que você deve evitar. Veja neste artigo os tipos de vícios de linguagem mais recorrentes e aprenda como identificá-los em provas e no dia-a-dia.

A língua portuguesa é muito rica em conteúdo, principalmente o gramatical. Sendo assim, fica fácil cometer erros. Que em muitas vezes passa despercebido por ser um vício de linguagem.

Mas se você está se perguntando o que são vícios de linguagem, neste artigo vamos abordar sobre erros mais comuns. Além disso, vamos dar dicas de como não os cometer, principalmente durante provas para concursos ou para o Enem.

Vícios de linguagem, o que são?

Os vícios de linguagem nada mais são que erros cometidos frequentemente e que podem parecer corretos à primeira vista. Usado na maioria das vezes por pessoas que não tem conhecimento ou quem sabe falta de atenção.

Vamos listar abaixo alguns dos erros mais comuns praticados na língua portuguesa. Muitos inofensivos, contudo no momento de uma prova ou avaliação fica sendo um erro fatal.

  • Barbarismo;
  • Arcaísmo;
  • Ambiguidade;
  • Cacófatos;
  • Eco;
  • Pleonasmo;
  • Neologismo;
  • Solecismo;
  • Plebeísmo;
  • Generalizações;
  • Redundância;
  • Repetições;
  • Panaroma geral

Erros mais comuns()

Entre os erros mais comuns vamos agora destacar alguns que acontecem com mais frequência. Tendo como causas a falta de atenção ou desconhecimento das regras da gramática da língua portuguesa.

Barbarismo

Quem nunca ouviu um “pobrema” na vida? esse é um dos erros mais comuns da língua portuguesa. Muito comum ouvirmos pessoas que mesmo tendo estudos acabam falando da mesma forma que a maioria a seu redor.

Nesse caso o barbarismo se caracteriza pelo desvio em relação a palavra, tanto na grafia quanto na pronúncia. Sendo que o mais comum é ouvirmos errado ao invés de lermos errado.

Assim, outro exemplo que podemos dar de barbarismo é a palavra adivinhar, que muitas vezes é escrita como “advinhar“. Esse tipo de erro ocorre muito quando a pessoa escreve a palavra como ouve.

Veja mais artigos que possam te ajudar no seus estudos:

Ambiguidade

Outro erro muito comum em redações de concursos é a ambiguidade. Caracterizada pelo duplo sentido de uma frase, podendo confundir o leitor em um caso de contexto.

Como exemplo podemos usar a frase onde está o gato do seu irmão. Nessa frase não está implícito se estamos falando de um animal – gato ou estamos elogiando a beleza do menino.

Outro exemplo que podemos usar é Luís falou a amiga que jogava vôlei. Nessa frase não está subentendido quem jogava vôlei, a amiga de Luís ou mesmo o Luís.

Assim, quando a ambiguidade acontece o contexto da frase pode mudar e a interpretação pode levar a erros. Muitas vezes quando estamos distraídos no momento da leitura.

Pleonasmo

Outra frase de quem nunca ouviu um entrar para dentro ou sair para fora? Esses são casos de pleonasmo, onde existe redundância na frase, confundindo a interpretação da informação que está sendo passada.

Plebeísmo

O plebeísmo é um erro muito comum entre os jovens, não pela idade mas pela facilidade de entendimento na comunicação. Sendo assim, gírias, expressões de bairro ou mesmo desconhecimento podem ocorrer.

Dessa forma, para quem vai fazer provas de concursos ou do Enem. Sendo assim, muito cuidado para não escrever como está acostumado a falar entre amigos. As redações devem ter conteúdo gramatical suficiente para a aprovação.

Solecismo

O solecismo é caracterizado pelo erro das palavras na sintaxe, não especificamente na grafia das palavras como no barbarismo. Assim, vamos ver alguns tipos de solecismos muito comuns:

  • Concordância – faz muitas décadas ao invés e faz muitas décadas;
  • Regência – assisti a notícia ao invés de assisti à notícia;
  • Colocação – ela falou que sentia-se sozinha ao invés de ela falou que se sentia sozinha.

Redundância

Para finalizarmos, podemos dizer que a redundância é outro erro muito comum nas provas. Sendo sua ocorrência por muita falta de atenção, mais até que o desconhecimento do vício de linguagem.

Assim, temos alguns exemplos muito recorrentes como:

  • Pequeno detalhe;
  • Ambas as duas;
  • Há anos atrás;
  • Rotinas diárias;
  • Elos de ligação;
  • Outras alternativas;
  • A grande maioria;
  • Surpresa inesperada;
  • Panorama geral.